Dia 4 Roadtrip Patagônia (Puerto Madryn)

Nesse artigo, vamos continuar contando um pouco da nossa experiência durante o Dia 4 Roadtrip Patagônia! Se você deseja saber mais, continue acompanhando com a gente!

Dia 4 Roadtrip Patagônia (21/12/16)

652 km de Puerto Madryn|ARG até Las Heras|ARG

Nosso quarto dia de viagem. Após um bom café da manhã no Hostel La Tosca, saímos para dar uma olhada na cidade, que é muito bonita e fomos em direção a Reserva Loberia de Punta Loma que fica a cerca de 15km de onde estávamos em Puerto Madryn.

A Loberia é um local de passagem e reprodução dos lobos marinhos, pelo caminho existem alguma praias MUITO geladas e uma que nos chamou muito a atenção foi onde avistamos um navio naufragado. Fica entre a Loberia e a cidade, esta perto o bastante para observar de uma praia de pedrinhas onde venta muito.

Navio Naufragado – Puerto Madryn

Ficamos algum tempo ali admirando e tirando algumas fotos, o vento era MUITO forte então decidimos seguir.

Loberia Punta Loma

Na verdade não sabíamos o que esperar, uma vez que ninguém nunca havia ouvido falar do local. Quem nos deu a informação foi o staff do Hostel.

Link para um pequeno vídeo do Hostel La Tosca: https://youtu.be/H6YdJO8MQo8

Chegamos a uma espécie de “base”, onde haviam algumas casas ou escritórios, laboratórios, não sei, mas estava tudo fechado… abandonado mesmo. Pra não perder a viagem, fomos em frente observando as placas e chegamos a uma “guarita” onde se encontrava uma moça que nos explicou do que se tratava a loberia e que estava assim aberta ao público, mas meio abandonada a algum tempo.

Seguimos para o mirante e ficamos observando os lobos marinhos. É bastante interessante, a forma como se comunicam, o modo como ficam lá deitados todos juntos e as brigas entre os machos para ficarem na praia. O lugar é limpo, e o que dá pra ver mesmo da reserva é a foto abaixo, mesmo assim é bem interessante, coisa que nuca tínhamos visto então vale a pena dar uma passadinha.

Loberia Punta Loma

Já a caminho de Puerto Madryn, para dali seguir ao sul paramos em uma encosta para tirar umas fotos. O lugar é muito alto e meio assustador, mas ótimo para fotografias.

Dia 4 Roadtrip Patagônia
Dia 4 Roadtrip Patagônia
Dia 4 Roadtrip Patagônia

Saímos então de Puerto Madryn e dirigimos cerca de 125km pela RN3 até uma entrada na RP75. De lá são mais 21km pela RP75 até encontrar com a RN1 onde se anda mais 17km até o acesso a Punta Tombo e então são mais 23km até a reserva em si.

Punta Tombo

Punta Tombo é a maior colônia de Pinguins de Magalhães do MUNDO onde todos os anos, MILHARES de casais de pinguins, vão para o acasalamento. Pagamos $250 pesos argentinos para entrar, recebemos algumas dicas de não se aproximar demais, não colocar as mãos e nos liberaram a entrada.

Em suma, são cerca de 3km de caminhada para conhecer tudo, mas vale a pena. É incrível como os pequenos pinguins não se importam conosco, alguns atravessam a rua na sua frente, com o bico pra cima pois sabe que o lugar é deles.

O local exige muito respeito já que é uma reserva muito importante, estava tudo muito limpo e tem alguns “monitores” da reserva caminhando também para evitar problemas. Este é mais um passeio que vale sim a passada.

Dia 4 Roadtrip Patagônia
Dia 4 Roadtrip Patagônia

De fato, foram cerca de 2 horas observando os pequenos e tirando fotos, até que resolvemos ir para não ficarmos muito pra trás na estrada. Importante avisar que a reserva é bem isolada de tudo, e que tem um lugar que vende água e cafés, mas é bem carinho. Recomendamos levar água e algum lanche da cidade mesmo e comer apenas no carro ou no ponto de apoio para não fazer bagunça na reserva.

Seguindo viagem…

Seguimos então para o sul, mas sem local definido. Não reservamos previamente nenhuma acomodação desde o Brasil até Puerto Natales, para rodarmos o quanto fosse confortável todos os dias sem ter que cumprir horários.

Após uma olhada no mapa, decidimos atravessar a argentina, tínhamos a impressão que veríamos tudo exatamente igual até Rio Gallegos então seguimos pela RN3 até Caleta Olívia, de lá para Pico Truncado pela RP12 e então para Las Heras pela RP43. Foi uma decisão muito interessante pois acabamos passando por uma região de extração de petróleo bem ao por do sol… a imagem era linda de se ver.

Mais tarde chegamos em Las Heras, encontramos um hotel na beira da estrada, ligamos para um telefone que estava no portão e chamamos o dono que veio em alguns minutos. Foi interessante pois pagamos a média de $700,00 pesos argentinos para dormir, mas eram quartos bons e privativos, com banheiro privativo, tv, frigobar e tudo mais. O café da manhã não existia, mas havia uma chaleira elétrica encima do balcão com alguns chás e  café, e nós havíamos guardado alguns sanduíches, então deu tudo certo.

Uma pequena lição de vida

Perguntamos a ele onde poderíamos comer pois estávamos famintos e ele nos recomendou um restaurante onde supostamente era barato e se comida muito bem. Fomos até lá então.

Ao chegar pedimos se ainda estavam servindo pois era muito tarde e nos mandaram sentar que preparariam alguma coisa. Não perguntamos preço pois estávamos acostumados a pagar por volta de $200,00 pesos argentinos por pessoa em cada parada para comer. Primeiro nos mandaram um prato com língua de boi em conserva, eu mesmo não quis comer, as meninas provaram e nosso amigo Luiz comeu com gosto. Mais tarde aquilo foi definido como um erro!!!

Nos serviram um prato onde havia carne, pastéis e batatas fritas, que o Sr. dono do estabelecimento explicou mais de 100x que eram frescas e não congeladas, cortadas a mão. Também havia uma salada. Achei tudo gostoso, comemos, tomamos uma cerveja e pedimos a conta. Aí a surpresa veio, fomos cobrados em $750,00 pesos argentinos POR CASAL, sendo que a média era de $800,00 pesos para os 04. Em suma, fica aí a dica de vida, sempre perguntar o valor antes de encher a barriga.

Dia 4 Roadtrip Patagônia
Jantinha de 1500 pesos argentinos.

Ao menos estávamos bem alimentados e fomos dormir, para no outro dia sair cedo pois era o dia de chegar a Torres del Paine.

Compartilhe essa postagem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *