Dias 10, 11 e 12 – Roadtrip Patagônia.

Dia 10 (27/12/2016)

1022 km de El Calafate|AR até Comodoro Rivadávia|AR

 

Dia de seguir viagem para Buenos Aires, ainda assim sabíamos que eram pelo menos 2 dias para chegar lá. No primeiro dia rodamos desde cedo com a intenção de chegar a uma cidade um pouco maior, com melhores opções de hostels e tudo mais, assim poderíamos nos hospedar tranquilamente e sair para conhecer a cidade a noite. Chegamos em Comodoro Rivadávia e os perrengues começaram. Por onde passávamos tudo era ABSURDAMENTE caro. Depois de tentarmos alguns hotéis pela cidade e não encontrarmos nada de acordo com nossos bolsos, falamos com um atendente de um pequeno hotelzinho que disse ter uma casa onde poderíamos passar a noite. Nos pediu para encontrar com ele 2 quadras mais abaixo que mostraria a casa. Nós, felizes por finalmente achar algo que não custasse muito, fomos até lá e esperamos o rapaz. Ele abriu um portão e nos conduziu por uma espécie de corredor, meio escuro, meio fedido, totalmente estranho. Neste corredor haviam outros portões que levavam a outras casas, como um mini condomínio fechado, misturado com a vila do Chaves, mas de pessimamente cuidado e nunca limpo. Chegamos então a tal casa e ao abrir a porta já sentimos a brisa da casa, um cheiro de mofo que parecia estar esperando ser libertado desde os tempos de TUTANKAMON ou antes. Simplesmente inaceitável. Alguns móveis velhos e 2 quartos, mas no primeiro instante já sabíamos que nenhum dos 04 aventureiros queria dormir ali, por mais que fosse “barato”.

Esquecemos o rapaz e voltamos a um hostel que havia numa esquina. O preço era o mesmo que estávamos acostumados a pagar, o Sr. que nos atendeu era um pouco ríspido e meio sem vontade. Nos mostrou os quartos, guardamos nossas coisas e fomos procurar algo para comer. Incrivelmente estávamos em uma cidade “grande” para o padrão das que conhecemos por lá e não haviam muitas opções de restaurantes e lanchonetes abertas. Entramos em um café que anunciava ter alguns pratos quentes e pedimos 2 pizzas. Pela primeira vez na vida comi uma pizza que vinha com ovos fritos encima. Estranho, mas comestível. Comemos, pagamos e fomos dormir, no outro dia tínhamos mais uma viagenzinha para fazer.

Dia 11 (28/12/2016)

1093 km de Comodoro Rivadávia|AR até Bahia Blanca|AR

Depois de tomarmos banho no menor banheiro do mundo, saímos em direção a Bahia Blanca. Importante observar que eu havia pesquisado e visto que em Bahia Blanca seria um bom lugar para fazer a revisão do carro, já que estávamos batendo os 10 mil km então fomos parar lá com este objetivo. O dia foi lento, estrada e mais estrada, uma paradinha ou outra em um posto, para combustível pro carro e pra nós também, acabamos nos deparando com um casal com seus casal de filhos viajando em direção ao Ushuaia, uma conversa rápida, um desejo de boa viagem dos dois lados e seguimos o rumo. Chegamos a Bahia Blanca já era tarde da noite. Nossa hospedagem neste dia era um AIR BNB muito bom. O dono foi nos receber, mesmo tão tarde. Subimos e enquanto uns foram se arrumando e tomando banho eu desci até uma pequena mercearia comprar algumas coisas. O atendente, já bem vivido, não falava um espanhol fácil de entender, e também não entendia nada que eu falava, de qualquer forma saí de lá com exatamente o que eu queria, lhe desejei boa noite e fui levar os mantimentos pra tropa. Como sempre nada demais, comemos um pouco, aproveitamos a boa internet pra nos colocar novamente no mundo e fomos descansar.

 

Dia 12 (29/12/2016)

656 km de Bahia Blanca|AR até Buenos Aires|AR

Pela manhã o dono do apartamento ligou na revenda Mitsubishi pra mim, e me mandou mensagem com o endereço e dizendo que estavam nos esperando. Fomos até lá e fizemos a revisão. Algumas horas parados, mas era importante que fosse feita então ficamos conversando. Neste dia já sabíamos que iríamos dormir em Buenos Aires, que estava perto e que nosso hotel já estava reservado. Nada poderia nos desanimar. Feita a revisão seguimos viagem até o hotel, conhecido também como TRIBECA BUENOS AIRES HOTEL.
Ao chegarmos ao hotel, estacionamos o carro na garagem, subimos pra recepção fizemos check in e fomos aos quartos. Eu e a Pri chegamos no nosso quarto e achamos estranho, pois não havia porta alguma para o banheiro. Ficamos meio encucados e logo percebemos que uma parede inteira do quarto era uma porta, além de ser a parede toda o quarto tinha um pé direito bem alto então a porta era realmente gigantesca. Quando abrimos a porta encaramos um salão, como se fosse um salão de reuniões, ou um salão de festas. Uma incrível parede de janelas, uma mesa com algumas cadeiras, um frigobar vazio e uma pequena porta lááááá no final, claro que era lá o banheiro. O quarto era tão impressionante que gravei um vídeo nele, mas infelizmente as fotos e vídeos destes dos dias foram perdidas. O tal quarto era o que queríamos, um quarto ótimo, bem grande, ar condicionado e tudo mais. Logo a Poli e o Luiz nos ligaram e disseram para irmos conhecer o quarto deles, que era diferente, mas também era grande e bem interessante. Além dos quartos o hotel fica a cerca de 2 quadras andando em linha reta do Obelisco, o café da manhã é bom e no último dia também descobrimos que é possível pedir omeletes e misto quente sem pagar nada. A limpeza era boa, os elevadores funcionavam a wifi não era a melhor do mundo, mas dava pro gasto.

A noite fomos ao Hard Rock Café, tomamos uma cervejinha, comemos um pouco, aproveitamos o ambiente do restaurante que é uma das nossas franquias favoritas, sempre que passamos em alguma cidade que tenha jantamos ou almoçamos por lá. O atendimento como sempre é sensacional, tudo nos padrões de sempre. Voltamos ao hotel, cansados da viagem e do dia meio desgastante e fomos dormir. No outro dia começaríamos nossa peregrinação pelas ruas de Buenos Aires, sob um sol que lançava 45°c em nossos pescoços.

Hard Rock Cafe

Compartilhe essa postagem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *