Dias 14, 15 e 16 – Roadtrip Patagônia

Dia 14 (31/12/2016)

Buenos Aires

 

Segundo dia da grande capital e último dia do ano. Neste dia a parte turística da nossa viagem terminaria. Guardamos pra este dia alguns pontos de Buenos Aires que nos faltavam conhecer, mas não muito pois a noite queríamos ver os fogos no Puerto Madero.

Saímos de Uber pela manhã em direção ao bairro La Boca, onde ficam o famoso El Caminito e também  o estádio do Boca Juniors, o La Bombonera. Ao chegar ao local já observamos o forte apelo turístico. É uma atração obrigatória em Buenos Aires, vale cada minuto gasto. Centenas de pequenas lojas de artesanato, gift shops aos montes, turistas de todo lado do mundo passando pelas pequenas ruazinhas coloridas em busca das melhores fotos do local. Casais dançando tango na rua, bares e restaurantes… de tudo um pouco. Ficamos um tempos pelas vielas até decidirmos tomar uma cervejinha já que estava um dia extremamente quente, mais uma vez.

 

El Caminito – Buenos Aires
Bairro La Boca – Buenos Aires

 

El Caminito – Buenos Aires

 

Depois de um tempo por ali, seguimos mais umas duas ou três quadras até a La Bombonera, famoso estádio do Boca Juniors. Decidimos fazer o tour pelo estádio e valeu o investimento. O clube tem uma história fantástica e no museu se pode conferir tudo, desde uniformes, imagens, vídeos, um filme institucional e muito mais. Também permitem conhecer as arquibancadas e dar uma pisadinha no gramado. Confesso que não tenho o hábito de assistir o futebol sul americano, mas gostei muito do passeio e aconselho que todos que gostam de futebol façam também.

                                                                                              La Bombonera

Saímos dali com fome e como todos mochileiros de coração fomos em busca de um almoço baratinho. Encontramos um choripan, no meio da rua mesmo, totalmente anti leis sanitárias, mas preciso confessar que estava muito bom, a coca então foi uma das mais geladas que já tomei na vida, e isso num dia de uns 40ºc em Buenos Aires. Gostamos de sempre experimentar o mais comum dos pratos dos países que passamos, nunca é um super restaurante que nos proporciona isso, mas se tem algo que aprendemos com o passar dos anos e das viagens é que grandes surpresas te esperam nessas vendinhas de rua. O chimichurri estava sensacional também, comemos bem e barato, provamos o tal choripan em grande estilo e fomos embora dali, em busca de mais algo perdido, um mercado e um pouco de descanso antes de irmos atrás do que fazer na virada do ano.

 

Depois de passar no mercado, comprar uns presentes pro pessoal do Brasil, espumantes pra virada e mais algumas besteiras fomos pro hotel, e combinamos de mais tarde sair apé mesmo procurar um lugar pra jantar e ficar até a virada. O problema é que estava tudo fechado, em Buenos Aires os restaurantes que abrem nesta data costumam elaborar um jantar onde você precisa reservar seu lugar. Os do Puerto Madero são os mais concorridos e não encontramos mais vagas, fomos até uma praça, encontramos algumas opções e paramos em um restaurante que não tinha um cardápio fechado, serviria o que quiséssemos. Para nossa infelicidade, talvez pela lotação e falta de preparo fomos absurdamente mal atendidos, simplesmente nos esqueceram. Esperamos MUITO TEMPO para vir nossa comida, que também não era um exemplo de refeição, custou caro e depois saímos quase na hora dos fogos. O plano era retornar ao hotel pegar os espumantes e tomar no Puerto Madero, mudamos de plano e fomos direto pra lá. Chegando na avenida do Puerto Madero percebemos que jamais arranjaríamos uma vaga de estacionamento. Paramos o carro no meio da rua mesmo, como todos os argentinos e fomos ver os fogos no porto. Ficamos por lá um tempo, não é a maior queima de fogos do mundo, mas foi bacana, foi mais uma aventura pra contarmos então compensou. Depois disso voltamos ao nosso hotel, brindamos o ano novo e fomos dormir, no outro dia iniciaríamos nossa viagem de retorno.

 

 

Dia 15 (01/01/2017)

967 km de Buenos Aires|AR até São Luiz Gonzaga|RS – Brasil

 

Acordamos não tão cedo, saímos sem pressa rumo ao Brasil, as estradas argentinas estavam impecáveis na época e não tivemos nenhum problema. Tentamos rodar o suficiente para almoçar no mesmo local que almoçamos na vinda, em Federacion,  mas não foi possível. Ao chegarmos lá encontramos o restaurante fechado e prometemos voltar um dia, pois aquilo é qualidade de carne. Depois disso só dirigimos até cansar, chegamos no Brasil no início da noite e pra não pararmos em São Borja nos caríssimos hotéis de lá, seguimos mais alguns km pelo RS. Chegando em São Luiz Gonzaga encontramos um hotel baratinho e um restaurante ao lado onde fomos MUITO BEM ATENDIDOS, mesmo com o restaurante lotado e comemos muito bem. Talvez voltemos lá um dia só pelo atendimento !!!!

Dia 16 (02/01/2017)

554 km de São Luiz Gonzaga|RS até Fraiburgo|SC

Nosso último dia de rodagem, dia de falarmos sobre a viagem nestes 550km, de lembrarmos dos bons e maus momentos, de darmos risadas e quase chorar de saudade dos lugares que conhecemos. Chegamos bem em casa, nenhum problema com nada. Um pneu furado, uma ou outra hospedagem mais sofrida, uma noite péssima depois do jantar pro nosso amigo Luiz e muito mais pra contar e lembrar. Muitos KM rodados em pouco tempo, uma viagem cansativa, mas paisagens que nunca vamos esquecer, e em breve estaremos planejando outra expedição pela patagônia.

 

;D

Compartilhe essa postagem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *